segunda-feira, 25 de março de 2013

UNIÃO AFRICANA DETERMINADA EM AVANÇAR COM A REFORMA DO EXÉRCITO GUINEENSE



O representante especial da União Africana (UA) em Bissau, Ovídio Pequeno, declarou, esta segunda-feira (25), que a reforma do Exército bissau-guineense "é uma etapa inevitável e necessária para construir um Estado republicano".

"Esta reforma é possível. Ela deve ser feita no interesse do país e os militares guineenses devem compreender que ela não é dirigida contra eles”, afirmou o ex-ministro santomense dos Negócios Estrangeiros.

A Guiné-Bissau é palco de golpes de Estado repetitivos e de revoltas militares desde a sua independência em 1974, e é atualmente dirigida por um regime de transição instalado após o golpe de Estado militar que destituiu em abril de 2012 o poder civil.

"Isto deve cessar, os militares devem voltar definitivamente aos seus quartéis. Apenas a este preço poderá ser construído um Estado republicano. A UA e o resto da comunidade internacional estão prontas para ajudar os guineenses a livrar-se desta situação”, disse Ovídio Pequeno.

Enquanto uma reforma do Exército bissau-guineense está programada sob a égide da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) , o processo enfrenta dificuldades para ser lançado devido à hostilidade de vários oficiais.

O Presidente burkinabe, Blaise Compaoré, recebeu recentemente em Ouagadougou o chefe do Estado-Maior do Exército bissau-guineense, António Indjai, para exortar a hierarquia militar a aceitar a reforma dos setores da defesa e da segurança.

Sem comentários:

Publicar um comentário