quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

DOMINGOS SIMÕES PERREIRA



No dia 24 de dezembro, Domingos Simões Pereira, candidato à liderança do PAIGC, foi ao Estado-Maior General das Forças Armadas para, a seu pedido, ter uma audiência com o CEMGFA António Indjai. Na comitiva, estavam Camilo Simões Pereira (irmão de DSP e ministro da Saúde no governo de Carlos Gomes jr.), Filomeno (funcionário da APGB e membro da sociedade civil), Rui (administrador de S. Domingos, militante do PAIGC que transitou do PRS), Queba Banjai (administrador da ElectroSolar de Gabú) e Abu, funcionário das Obras Públicas.

Depois de António Indjai ouvir DSP, veio o troco: "Você esteve muito tempo fora da Guiné-Bissau e agora voltou para se candidatar para líder do PAIGC", disse o CEMGFA. De seguida, e de um só fôlego, Indjai rematou: "Isto [as eleições] é como um campeonato. Se ganhares, tudo bem e se perderes há que saber encaixar." Mas o CEMGFA não ficou por ali. "Uma coisa é certa - continuou - os militares nada têm que ver com o acto eleitoral de qualquer partido político". E assim acabou a audiência. Uma audiência amarga, diga-se. António Indjai desmarcou-se...

IN DITADURA DO CONSENSO

POVO DA GUINÉ, HOMENS COMO DOMINGOS S. PERREIRA SÃO PRECISO PARA UMA GUINÉ MELHOR...O FACTO DE ESTAR FORA POR MUITO TEMPO NÃO DESVALORIZA, PELO CONTRÁRIO, PODE ACRESCENTAR A MAIS VALIA.

DOMINGOS S. PERREIRA, NÃO DESISTA, A GUINÉ PRECISA DE HOMENS COMPETENTES. 

Sem comentários:

Publicar um comentário